buscar no site em

 
E-BOLETIM
Informação no seu e-mail
NOME
E-MAIL

CADASTRAR SAIR

voltar topo

Engenho

Principais caraterísticas

Pertencente ao município de Alagoa, MG


Riquezas Naturais:

Alto do Bugio, Garrafo, tuneis antigos de garimpo de ouro,cachoeiras

Número de habitantes: 336 (148 mulheres e 188 homens)
Atividades Predominantes: Pecuria leiteira e fabricao de queijos
Infraestrutura e serviços: Igreja do Sagrado Corao de Jesus, estrada de pavimentao de pedra para o Garrafo (entrada do PESP)
Principais Festas: ---------------------



 

Histórico

A Comunidade do Engenho deve seu nome à atividade mineradora estabelecida na região, ainda no século XVIII, pelos religiosos da Companhia de Jesus. Pelas redondezas, ainda é possível ver as pedras que eram deslocadas para a mineração, bem como as ruínas do antigo engenho que servia à Companhia, além de um túnel que foi construído para desviar o curso do rio e que se tornou atração turística da região.

            O Sr. Arlindo, um de nossos entrevistados, trata desse momento inicial da história do Engenho referindo-se ao bisavô, que possuía escravos; e ao pai, chamado José Ribeiro de Souza, que era um grande proprietário e que lhe contava que, no período de decadência da mineração, os antigos donos das terras enganaram os compradores, colocando um pouco de ouro na bateia para que pensassem que ainda havia fartura do mineral.
            De acordo com os depoimentos do Sr. Arlindo e do Sr. João Seriema, é possível traçar um painel da atividade econômica estabelecida no Engenho após o período de exploração do ouro. O trabalho concentrou-se na agricultura de subsistência e no comércio dos excedentes, que eram levados para as cidades vizinhas, especialmente Resende, de onde vinham mantimentos como arroz, sal e açúcar: “Antes tinha fartura, vivia-se da terra, não se comprava nada. Criava-se porco, galinha. Vendia-se em Resende e se levava de tropa por trilha, que estrada não tinha”. O Sr. Arlindo conta que trabalhava como tropeiro e lidava na lavoura. Plantava milho e produzia toucinho. Ele transportava queijo: “... era vida dura, chovia dia e noite”. As tropas variavam de tamanho, de 5 a 6 animais. Havia tropa de frutas, como maçã e pera. Para Resende, eram quatro dias de viagem.
            A atividade dos tropeiros entrou em declínio quando da construção da estrada ligando Alagoa a Itamonte (hoje em fase de asfaltamento), que facilitou o acesso à região através de veículos automotores, tornando ágil o escoamento da produção. Por outro lado, as restrições legais e a disseminação de conceitos socioambientais e conservacionistas tem inibido a realização de práticas de manejo tradicionais, como a queima dos pastos, que era utilizada na limpeza e adubagem dos terrenos para plantio. Segundo o Sr. Arlindo, “de um tempo para cá acabou o plantio. Hoje não se pode cortar um pedaço de pau. Se não queimar o pasto, ele não nasce bem”. Ele defende a prática tradicional, propondo uma experiência para mostrar que queimar é bom: “Experimente queimar metade e ver o que acontece, o mato queima só por cima, não queima a terra”.
            Do ponto de vista social, são notáveis no Engenho os aspectos ligados à presença do catolicismo popular, com seus festejos e fortes manifestações de devoção, especialmente em relação à beata baependiana Nhá Chica, considerada santa e venerada por toda a região. A respeito dela, Dona Maria José, que foi professora durante trinta anos, apresenta várias informações, inclusive relatos de milagres, afirmando que “era mesmo uma Santa. Tudo que tinha ela repartia com todos”. Sobre os festejos, as palavras de Dona Maria José ilustram bem o quanto faziam parte do cotidiano da Comunidade: “antes tinha mais diversão do que hoje. Todo sábado tinha forró até meia-noite. Aqui tinha 'catiretê' (uma dança em que se acompanhava os passos com palmas), tinha quadrilha, Folia de Reis. Tinha terço de São Gonçalo”. O Sr. Arlindo conta que era Mestre na Folia. Cantava na frente e tocava viola. Aprendeu sozinho, através das Escrituras Sagradas. Ele mesmo criou os versos. Eram 25 versos. Uma de suas filhas era contramestre. Hoje a folia de Baependi é quem vem cantar no Engenho todo ano.


 

Agente do projeto em Engenho: Felipe
Cargo/função:agente local
E-mail: -----------------
Contato: ----------------------------

topo
Comunidades Serra do Papagaio

Todos os direitos reservados - Projeto Para Gestão Integrada do Parque da Serra do Papagaio e Seu Entorno
Responsabilidade legal: Fundação Matutu - © Junho/2008 - CRÉDITOS - WEBMASTER